segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Neruda e o Poeta


Até onde vai a poesia
que o poeta recita com embargada voz?!

Ao céu?! Este mesmo céu que um dia Neruda olhou
tão demoradamente em seu silêncio
antes de deixar a mão cair sobre a folha alva
e desenhar  os versos a que alma entoa...

Ah, poeta... a sua voz invade o espaço
rompe as membranas das manhãs enevoadas
ganhando amplidões até  fazer eco no meu coração!

Então fecho os olhos____________ ouço a sua poesia
 e as palavras de Neruda  pareando em dueto
alcançam as estrelas que brilham no céu de Istambul
acendendo o meu olhar
perdido olhar a procura do seu
____________________eternamente a procura do seu!!



*para você







2 comentários:

  1. Uma poesia que transcende as palavras... muito, mas muito bonita mesmo!

    ResponderExcluir
  2. Poesias que o coração
    escreve
    e os lábios apaixonados
    recitam
    são sempre belas
    nos fazem até acreditar
    que o amor existe


    Luiz Alfredo -poeta

    ResponderExcluir