quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

SONÂMBULA



SONÂMBULA


Tem uma lua em cada olhar
Estrábica figura,
calada, muda, absurdamente muda
Queria escrever poemas,
viu a lua...
Na superfície lunar,
bordou crivos com fios brancos
e pôs-se a dançar
Soprou pensamentos lascivos,
encostou-se no muro,
grafitou-se!
Despiu o sudário
e se fez peregrina,
virgem tosca em dulia matutina
Bacante silenciosa,
obliterada sem dialética,
nua,
esquálida dadiva
da tua indiferença,
prostrada ainda espera
o teu olhar.




Um comentário: